Parar para respirar

22.7.14
Praia com estilo é outra coisa! #carvoeiro #casamaurana #vale de centianes #praia Estou pelas terras do Sul, do calor e do mar transparente, da nossa casa, da família e do peixe escalado. Não contava desaparecer assim sem dizer nada estes dias todos, mas saí à pressa e depois não tive internet com qualidade suficiente nem tempo suficiente para passar por aqui.

Para mim esta pausa, o desligar os cabos, ficar sem internet é essencial, preciso de espaço para respirar para poder renovar o corpo e a cabeça.

E como está a correr bem!

Volto em breve, carregada de boas energias e fotos giras que tenho feito nas minhas caminhadas matinais!

Mudar é bom e não é só na Internet!

Bons dias de Verão pessoas, 'vemo-nos' em breve!

Caminhos que valem a pena percorrer. #carvoeiro #casamaurana #algarseco #algarve 

[all about playing]: uma entrevista sobre a nossa família

11.7.14

Hoje eu e a família cá de casa estamos ali no blog pinknounou, onde a simpática Ana me fez algumas perguntas sobre as miúdas giras cá de casa e os nossos hábitos enquanto família.
Querem espreitar? É aqui.

inspiração para a Maura

9.7.14
(todas as fotos via Kid & Coe)

Este ano os nossos dias na Maura foram poucos e muito atribulados, por isso os meus objectivos de recuperação são pontuais e dirigidos para detalhes e essencialmente arrumação de roupas e louça.
Isso e ir procurar um tal senhor na Serra de Monchique que pelos vistos sabe como empalhar cadeiras, onde pode ser que finalmente consiga consertar alguns assentos rotos, será?

São casas como esta que me fazem acreditar que a recuperação do que existe vale a pena. Claro que aqui toda a casa foi intervencionada, nota-se bem no bom estado de tudo, mas mantiveram as características originais da casa. E eu quero isso.

Mas tem sido difícil: sempre que peço orçamentos para arranjar o chão de madeira ouço 'mais vale arrancar tudo e meter flutuante'....flutuante? A sério? Não.
Estes armários não têm remédio, vai ali ao Leroy e compra uns standard e mete aqui. Ok, prefiro ficar sem armários então, um varão chega.
Estas casas de banho é arrancar tudo e fazer de novo.
São comentários destes que ouço das pessoas que trabalham com casas e obras e coisas do género. Já desisti. Vou arranjando devagar e as coisas vão tomando forma. Não tenho dinheiro nem vontade de transformar uma casa dos anos 60 num apartamento de construtor manhoso.

Da próxima vez vou mostrar esta aos senhores que me dizem para arrancar tudo, mas provavelmente ainda vou ouvir: 'mas quem é que quer ir para aí, é tudo antiquado! onde está a televisão?'

Gostos não se discutem!

uma casa na árvore

8.7.14

Já que o sol teima em não chegar, o trabalho em não fluir e as férias escondidas por trás de uma lista de afazeres que nunca mais acaba, afinal tudo o que eu quero é ir para esta casa na árvore e ficar lá a brincar sozinha ou com o meu clube:D

Era, não era?

(via Ignant, fotografia de Natalia Vial)

Cortebel

3.7.14

No trabalho eu já dei umas quantas voltas na cabeça e na vida à procura daquilo que gosto de fazer, que sei fazer e que me podem pagar para fazer.
Nada é conclusivo e nada é final, mas há algumas coisas de que eu gosto mesmo:
- fábricas: a principal razão pela qual estudei engenharia, foi porque eu queria trabalhar em sítios onde se 'faziam' efectivamente coisas, onde as ideias e os desenhos ganhavam vida. A produção industrial é algo que, apesar de muito escuro e feio para a maioria das pessoas, a mim encanta-me;
- coisas de enfeitar o corpo: não é moda, não é design, é a arte de comunicar através da cor e das formas que escolhemos para vestir o nosso corpo;
- vintage: para quem me lê isto já um facto adquirido. Gosto de coisas com história, com vida passada, com desenhos retro, com estilo intemporal;
- comunicar: o blog trouxe-me uma das armas mais poderosas para mim nos últimos tempos, a capacidade de juntar palavras e imagens e comunicar. O que for, sentimentos, ideias, moda, não interessa, comunicar o que quero numa plataforma virtual, para mim neste momento é tão simples e imediato como falar.

Foi há alguns meses atrás que entrei, pelas mãos da minha melhor amiga de sempre, na Cortebel e fiquei maravilhada com as botas, as sapatilhas, os tecidos, as solas e o armazém carregado de calçado antigo que nunca chegou a ser usado (há quem lhe chame deadstock, mas eu chamo-lhe potential sotck:D). Já tinha visitado muitas fábricas e visto muitos produtos diferentes, mas nunca senti identificação pessoal com o que estava nas prateleiras como sinto com este calçado. Gosto mesmo muito de todos os modelos, do conforto, da história e das cores que ponteiam os cantos e prateleiras daquela fábrica.

E é também por isso que hoje estou aqui, com muita alegria a contar-vos sobre a minha colaboração com esta empresa de 50 anos de existência.
Para já vamos iniciar com a gestão das redes sociais, mas há muito mais para vir e se os bons ventos soprarem ainda voltarei aqui muitas e muitas vezes a falar-vos e mostrar-vos as novidades que vamos tendo e os eventos que vamos promover.

Para já fiquem com as fotos destes 3 modelos vintage de criança que estão acabados de chegar às prateleiras das lojas 'A Vida Portuguesa' em Lisboa e no Porto e que eu acho lindos e sigam-nos no Facebook, onde podem ver muitos e muitos modelos de botas e sapatilhas novas e vintage que eu tenho a certeza que vão fazer as maravilhas de muita gente que me lê por aqui.

Fiquem atentos porque vou mostrar-vos em breve outros modelos para adulto e vai haver ofertas para os meus leitores!

Se gostarem carreguem no botão seguir e venham comigo, porque esta vai ser uma viagem que vai valer a pena!
Facebook Cortebel




(todas as fotografias deste post são da autoria de Inês Nogueira que fez a cortesia de as tirar na loja da Vida Portuguesa).

Tidy up time

2.7.14

Todos queremos casas bonitas, com flores e com quadros e com conforto físico e visual.
Mas a maioria de nós não vive nesse ambiente diariamente. As casas são confusas, dão muito trabalho e mantê-las arrumadas é uma tarefa árdua de quase 24 horas diárias. Por isso, se forem como eu, vivem mais tempo no meio da vossa desarrumação do que em ambientes de revista ou de blogs de decoração. E está tudo bem, gosto de ver as fotos na mesma, adoro apreciar casas bonitas, vibro com ambientes cheios de alma e com pessoas que o sabem fazer naturalmente.
Mas na minha vida as coisas raramente são dignas de páginas de decoração, porque o caos domina. E a entrada dos filhos na minha vida veio multiplicar esse caos.
A minha casa não é o que quero, os objectos que me rodeiam não são os que escolho, são os que fazem parte da nossa vida. Da minha, que sou uma coleccionadora e colectora de coisas velhas e que não sei deitar nada fora, do meu marido, que tem a secretária mais caótica cheia de computadores e fios do mundo, das minhas filhas, que espalham por todo o lado onde passam os seus objectos e brincadeiras, deixando atrás de si um rasto de pequenas peças, bonecas, livros, etc.
Se vale a pena combater este caos? Não. Tenho de lidar com ele e o arrumar todos os dias e por isso resta-me aceitá-lo.

Fui convidada pela Julieta Iglésias para participar no projecto Tidy Up Time, onde um conjunto de pessoas são convidadas a olhar para os objectos que as crianças vão deixando para trás, do ponto de vista da beleza e graça que essa desarrumação pode ter. Este projecto é inspirado no famoso kidswerehere.wordpress.com com a devida autorização dos seus autores.

Por isso podem seguir a minha desarrumação e a de outros pais no blog
tidyuptimekids.blogspot.co.uk e no Facebook.
E também podem participar enviando as vossas fotos!

Vemo-nos por lá!



kolonaki: roupa para mulheres

30.6.14


Uma das coisas que mais me irrita na fast fashion das grandes superfícies é o ver e rever a moda teenager para adultos. Não estamos a falar de se vestir descontraidamente, ou de forma confortável, nem em trocar as calças de gangas por fatos diariamente, não, de todo, quem seria eu para dizer tal coisa, mas tal como há roupas e estilos reservados à mulher adulta nos quais as miúdas ficam a roçar o ridículo, o contrário também acontece.
Há certas coisas que por melhor que o corpo de uma mulher esteja em termos de formas, pura e simplesmente já não lhe fica bem. Assumir e abraçar isso é bom, muito bom, porque permite delimitar territórios, coisas de mulheres x coisas de miúdas.
Geralmente há uma fase em que começamos a dar mais importância ao detalhe, à qualidade das coisas, ao corte, aos tecidos, a uns bons sapatos, etc.
Eu adiei isso muito tempo, consigo vestir roupas de há 10 anos atrás, mas já não me sinto da mesma maneira, servem-me mas não servem o meu propósito, o meu eu.
Mas confesso que muitas vezes ando no limbo, entre o que é fácil para mim, pois já visto há décadas, e aquilo que eu acho que me fica melhor, mas que muitas vezes não me dou ao trabalho de arriscar, porque me parece mais difícil.

Como inspiração, ficam aqui umas saias e blusas muito 'ladylike', com tecidos bonitos e formas bem delineadas. E que me parecem valer cada um dos euros que custam.
A marca chama-se 'kolonaki', é espanhola e podem visitar a loja online aqui.




Luísa Spínola: Fábrica da Criatividade

28.6.14
A Luísa é uma artista madeirense que também tem andado a dar 'umas pinceladas' por aqui nos blogs e que eu admiro muito!

Ela trabalha muito com crianças e adultos em ateliers e cursos artísticos e tem vindo a desenvolver um projecto muito interessante na Madeira: o 'Atelier Gatafunhos'.

Pois este atelier quer crescer, quer ter mãos, braços e pernas para andar porque a Luísa ainda tem muito para dar e a arte e criatividade não têm limites. Ela está a pedir ajuda através de um crowdfunding e eu não poderia deixar de ajudar na sua divulgação para que a palavra se espalhe por essa internet fora. Fiquem aqui com a Luísa a explicar o seu projecto ao vivo e a cores e se quiserem saber mais consultem este link.

Boa sorte Luísa!

[etsy favourites]: clothingshow

26.6.14

Simples.
Leve.
Solto.
Relaxado.
Alguns adjectivos que me levam a ficar fã desta loja no etsy: clothing show

 (via frankie magazine)

---

[fui alertada após a publicação deste post para a possível manufactura em grande escala deste tipo de items em fábricas chinesas, o que vai contra o princípio de venda do etsy. Pelo que vi na web o etsy tem se debatido com muitas queixas neste sentido no que diz respeito aos vendedores chineses. Não vou apagar o post, porque realmente gosto das peças e não tenho como confirmar a sua origem. Deixo aqui apenas a preocupação sobre o assunto e a chamada de atenção]

a minha pequena grande filha

23.6.14
O meu bebé cresceu! Quando olho para ela não sei para onde voou o tempo:) Tem 6 anos.
Vai para a escola primária em Setembro.
Foi a Lisboa num passeio da escola e mal se despediu de mim.
Quer que eu lhe diga no que é que ela é muito boa e deixa-me preocupada esta preocupação.
Tenta ler todos os rótulos e palavras que lhe aparecem na frente.
Está sempre pegada com a irmã.
Disse-me que estava indecisa entre ser dona de casa (perguntou-me primeiro se essa profissão ainda existia) e ter uma quinta com animais e horta, ou ser uma 'pop star'.
Nem sei que lhe diga.
Sou um desastre a explicar a vida às crianças. Deixo-as aprender por elas. Faço questão em deixar tudo em aberto. Às vezes quando dou por mim estou a usar clichés para lhes explicar as coisas. Clichés que nem eu própria acredito. Melhor não dizer nada, deixá-las sonhar, pensar e experimentar.
Não aceita as minhas sugestões sobre a roupa e acha que eu não 'tenho mesmo muito jeito' para cozinhar.
Muitos dias ando preocupada com ela, com o feitio difícil, com as sismas, com a dificuldade em lidar com as coisas que não consegue fazer tão bem como gostaria. Preocupa-me todos os aspectos da vida, que se magoe, que se desiluda, começo a sentir que eu controlo pouca coisa, muitas opções já têm de ser feitas por elas, eu apenas posso aconselhar e estar por perto. Ela tem de aprender pelos seus meios.

Diz que me ama daqui até à lua infinitas vezes.
Perguntou-me se eu não quero dar a volta ao mundo com ela.
Disse-lhe que sim.


how cool is that? made with code

20.6.14
Tenho uma formação académica na área de engenharia. Muitas vezes me perguntei o que andava eu fazer por lá. Muitas vezes conclui que nada.
Mas hoje sei que me enganei. A minha formação deu-me algo que poucas dão: a capacidade de resolver problemas abstractos. Coisas que não são concretas, que só vemos com uma boa dose de imaginação, abstracção e resiliência.
Hoje, incrivelmente interesso-me mais por coisas 'geek' do que alguma vez pensei interessar-me.
Hoje, gostava que as minhas filhas aprendessem código e ciências dos computadores na escola como aprendem inglês, matemática ou música. Não precisam de ser engenheiras, podem ser o que quiserem, apenas queria que percebessem as maravilhas de dominar linguagens variadas, que não só lhes permitem falar, mas acima de tudo criar.
Nos EUA este pensamento já se está a disseminar, fala-se e pensa-se muito sobre isso, sobre a importância de aprender e ensinar qual é a linguagem que os computadores falam.
São ferramentas.
São poderosas.
E sim, podem ser muito charmosas!

DE MALAS E CABEÇA AVIADAS @ la redoute

18.6.14
O meu último post ali no Magazine de Tendências da La Redoute é sobre a minha mala de Verão.
A perfeita, não a que geralmente faço, porque eu caio sempre em exageros. Mas isto no formato virtual é bem mais simples e objectivo. No Verão não precisamos de muito para estar sempre bem e bonitas. Se quiserem espreitar as minhas escolhas é só ir aqui.


cata-vento

17.6.14
flowers not vintage
Desde o tempo de miúda em que visitava com a minha mãe a loja da D. Berta no Lumiére que eu sonhava em ter uma loja vintage. Naquela altura esta expressão nem existia, mas eu só imaginava que aquela senhora passava a vida a procurar tesouros nos sótãos das casas mais bonitas do Porto. E do mundo. Sim, porque para mim, aquela senhora com óculos pontiagudos, sapatos roxos e chapéu na cabeça havia de viajar muito pelo mundo. Como eu um dia faria. Isto de andar na escola era apenas uma ponte para uma vida 'desviada' que eu sonhava ter. Entre bastidores de teatro e pubs de final de tarde em Londres, eu seria uma destas excêntricas que apenas o mundo poderia classificar.

Bem, deixemo-nos de histórias, que todos vocês sabem que eu hoje estou mais para 'geek' e dona de casa do que outra coisa, lá está, o mundo terá de esperar por mim e eu terei de continuar a sonhar com ele. Nunca se sabe.

Fico muito feliz por poder ver e visitar tanta coisa boa a aparecer no Porto que recupera tantas memórias e imaginários de casas e vidas passadas, que recicla e valoriza o que um dia foi nosso, e traz à nossa cidade todo um ecletismo que as mega stores nunca vão conseguir trazer. E o Porto é propício para isso, porque de todas as cidades do país sempre foi a que mais charme emanou nas ruas. Digo eu, que sou suspeita!

Há umas semanas atrás fui com a minha melhor amiga desanuviar as ideias e visitar a casa aberta das irmãs Ana e Patrícia, criadoras da loja Cata-vento Vintage. Foi uma surpresa tão boa visitar a casa delas, o bom gosto é uma coisa que não tem preço nem idade e que se sente facilmente em quem o detém. E elas têm muito bom gosto. A loja delas é a prova disso mesmo e as peças que elas seleccionam são escolhidas minuciosamente para fazerem parte deste pequeno tesouro que é o Cata-vento.

Aproveitei para tirar algumas fotos, trazer mais umas peças para mim, experimentar roupa e falar um pouco com elas, sobre este mundo das velharias, da segunda-mão e do vintage em Portugal.
Querem entrar e conhecer a Cata-vento melhor? Venham:

cata-vento (vintage shop)cata-vento (vintage shop)cata-vento (vintage shop)

Nome(s): Ana Carolina e Patrícia Jorge
Idade: 36 e 38 anos
Ocupação: à procura de novos futuros
Presenças web: Facebook Cata Vento
3 palavras sobre o cata-vento: amor pelos pedaços do passado


1 - O vintage é algo recente na vossa vida ou já tem, tal como as peças, um longo passado? 

O bichinho do vintage está dentro de nós há bastante tempo. Sempre fomos ‘recolectoras’ de objectos e pedaços do passado. Primeiro por nostalgia das coisas que tinhámos em casa das nossas avós: objectos da cozinha, peças de roupa, sapatos, malas, botões, revistas de Moda (a nossa tia-avó era modista!), brinquedos, “o infinito e mais além. As cores, as linhas, os desenhos, a tipografia, são elementos que sempre nos fascinaram.
Rapidamente ficámos viciadas em coleccionar tralha e entusiasmadas com a possibilidade de ir montando “puzzles” de objectos com história.

2 - Como surgiu o cata-vento? 

Uma paixão partilhada por duas irmãs e uma vontade muito grande de fazer aquilo que gostam: andar a caçar tesouros de outros tempos. E bom, como já não temos mais armários e espaço para guardar tamanha tralhice, decidimos que seria interessante partilhar esta nossa paixão com as demais pessoas.

3 - Quem vos visita o que pode esperar encontrar? 

Por um lado, aquilo que já é designado como o ‘malódromo’, onde vamos expondo diferentes tipos de malas e carteiras. Depois armários recheados com peças de roupa, loiças, objectos de decoração de décadas passadas, bem como algumas peças de mobiliário.

4 - As vossas peças são exclusivamente portuguesas ou também vêm de fora? O que vocês acham do vintage português vs o de outros países? 

Em termos de objectos para o lar damos bastante importância a peças genuinamente portuguesas: garrafas térmicas da Fergel ou da Lusotermo, plásticos da Plasfil, da Figueira da Foz ou de Leiria e loiças de marcas históricas como Sacavém, Raul da Bernarda, Coimbra, Candal, Vista Alegre, Viana ou Sado Internacional. Claro que também temos coisas de outros países, em particular peças de roupa e carteiras. Não estamos dedicadas em exclusividade a uma única proveniência.

5 - Como é que se vive de vintage em Portugal? Há mercado em termos de procura e de material para alimentar um negócio? 

Há mercado e muito por explorar, agora há um interesse muito grande pelas maravilhas do design industrial e o nosso país tem uma herança industrial muito forte. A tipografia das zonas comerciais também ganharam muitos entusiastas.
É muito curioso perceber padrões reveladores da nossa história. Por exemplo, as malas e carteiras até aos anos 80 eram muito sóbrias, é raro encontrar peças de cores que fujam ao preto-castanho-azul e roupa que seja justa. As peças dos anos oitenta são ilustrativas da mudança, da utilização de cores, ou da quantidade de peças disponível.
Quando compramos noutros países percebemos muitas diferenças por época. Temos verdadeiras lições de história económica, social e cultural nestas andanças!

6 - Quem são os vossos clientes? 

Temos muitos amigos clientes e clientes que se tornaram amigos.
Compramos com base no nosso gosto pessoal, mas muitas vezes vemos peças e pensamos numa determinada pessoa. Temos pedidos pendentes de peças que tentamos encontrar. Mas creio que não tenhamos um perfil especifico de cliente.
Há quem vá para comprar uma mala e saia com um serviço de chá. A caça ao tesouro tem destas coisas!

7 - Já todos sabemos que passamos uma fase de revivalismo em Portugal, por isso as peças de décadas passadas estão muito em voga. Acham que isto é uma moda passageira ou veio para ficar? 

Sempre houve interesse pelas coisas do passado e é recorrente usá-lo para fazer o presente. O que é valorizado e está em voga é que vai mudando, percebemos que é ciclico, já passamos por alturas que todos queriam gira-discos, depois veio a vaga do mobiliário das décadas 50, 60 ou 70.
Neste momento podemos afirmar que é muito raro encontrar candeeiros para tantos pedidos. E bom, encontrar cães de loiça a preços acessíveis é missão impossível!
O sotão da avó, a casa da tia, a casa dos vizinhos foram essenciais para a construção dos nossos imaginários. Jogámos Spectrum, falámos no Tom Sawyer e na Candy Candy, víamos o Roque Santeiro e todos sabemos de cor as músicas do Verão Azul ou das Misteriosas Cidades do Ouro.
Já as gerações posteriores têm outro tipo de referências: as Playstation 1, os GameBoy ou o Dragon Ball, por exemplo.

8 - O vosso estilo pessoal é muito influenciado pelo negócio ou o negócio é influenciado pelo vosso estilo pessoal? Como é que se separam de peças que gostam?

Talvez a segunda opção seja a mais correcta, pois normalmente gostamos bastante das coisas que disponibilizamos para os outros. O processo de triagem por vezes é duro, implica sempre alguma negociação entre as duas – a irmã mais nova tem mais dificuldade em separar-se das tralhas. Vivemos um bocadinho com as peças e depois deixamo-las partir para novas mãos.

9 - E o Porto, com todo este rejuvenescimento da cidade, novos negócios e pessoas, é o local ideal para lançar um negócio deste género? 

É no Porto que vivemos e queremos continuar a viver. O eixo compreendido entre a Rua do Almada e a Mártires da Liberdade alberga variadíssimos locais dedicados às coisas do passado e é engraçado ver como os novos negócios se estabelecem e convivem ao lado das casas de velharias e antiguidades mais tradicionais.
Em relação à roupa somos grandes admiradoras da Mão Esquerda, da Absolute Tribute, da Mon Pêre entre outras, pois para além de encontrar peças incríveis, partilhamos amor pelas mesmas, é engraçado estar a conversar com quem vive isto e para isto durante horas.

10 - Para quando uma loja física e online? Está nos vossos planos?

Sim, obviamente adoraríamos ter um espaço físico, mas primeiro queremos ver como corre a experiência online.

11 - Para quem quiser ver as vossas peças ao vivo, onde vos podem encontrar nos próximos meses? 

Quem quiser visitar a nossa sala só tem que telefonar ou enviar uma mensagem e nós abrimos a porta de casa. Pelo menos uma tarde de sábado por mês teremos a porta aberta para quem quiser espreitar e temos algumas peças à venda na Mão Esquerda, Second Hand Shop, ali na Rua de Santo André, perto dos Poveiros.
  cata-vento (vintage shop)cata-vento (vintage shop)cata-vento (vintage shop)

E já agora fiquem a conhecer o serviço de chá mais bonito do mundo. É meu e veio da Cata-vento. Isso mesmo! (queria ter melhores fotos, mas para já é o que se arranja):
  serviço chá sacavem

AddThis